VISITE NOSSA LOJA VIRTUAL Loja Virtual de Piscina Loja Virtual de Piscina

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 370 mil pessoas morrem afogadas todos os anos no mundo, e a maioria tem entre 1 e 14 anos. Infelizmente, o Brasil é o terceiro no ranking com o maior número de mortes dessa natureza.

Por conta disso, em 13 de setembro de 2017 foi aprovada pelo Senado Federal a proposta de Lei Complementar 71/2014, que disciplina a prevenção de acidentes em piscinas no território nacional. Ela é válida tanto para piscinas já em uso como aquelas que ainda serão construídas.

A Lei Complementar estabelece cuidados e regras para evitar acidentes em piscinas — como o ocorrido no ano de 2014 com uma menina de oito anos, em Belo Horizonte, que teve seus cabelos sugados por um tubo e morreu afogada.

De fato, é essencial saber prevenir, tanto para preservar a integridade dos banhistas como para evitar as penalidades previstas por essa lei. Por isso, neste post, esclareceremos quais são as principais mudanças estabelecidas e como se adequar a elas.

Continue lendo e confira mais informações sobre segurança em piscinas!

Tampas antiaprisionamento

A lei exige o uso de tampas antiaprisionamento ou não bloqueáveis para evitar o enlace dos cabelos e a sucção de outras partes do corpo, além de objetos como roupas e joias. Já existem diversos modelos no mercado, mas, antes de comprá-los, verifique se foram homologados pelo Inmetro.

Sistema anti-sucção

Todas as piscinas, independentemente de o seu uso ser privado, coletivo ou público, deverão conter ao menos um dos seguintes sistemas anti-sucção (também com selo do Inmetro):

  • dois ou mais drenos de fundo, hidraulicamente balanceados;
  • sistema de Segurança de Liberação de Vácuo (SSLV) com motobomba;
  • tubo de respiro atmosférico conectado à linha de sucção entre o dreno de fundo e a motobomba, ou um difusor de sucção instalado dentro do ralo de fundo e em cada boca de sucção lateral existente.

Vale lembrar que as piscinas coletivas são aquelas existentes em clubes, hotéis, academias, condomínios residenciais, escolas e centros de reabilitação. Já as públicas são destinadas ao público, em geral.

Guarda-vidas

As piscinas coletivas ou públicas deverão ter guarda-vidas. Aqui inclui-se aquelas localizadas em clubes, academias, hotéis, escolas, hospitais e centros de reabilitação, tanto públicos como privados. Condomínios residenciais e edifícios não precisam disponibilizar esse profissional, com exceção de casos previstos em regulamento.

Os profissionais deverão estar devidamente trajados para serem identificados, serem treinados e credenciados por órgão competente em técnicas de salvamento — como resgate da vítima, primeiros socorros e respiração artificial.

Sinalização

A lei também exige a sinalização da área da piscina, com placas que alertem para:

  • a profundidade da água nas bordas e paredes do tanque a cada 5 metros, no mínimo, com indicação de pontos distintos, quando couber;
  • que evite-se o mergulho de ponta em locais onde a profundidade for considerada insuficiente;
  • a proibição de acesso a usuários sob efeito de álcool ou drogas ao tanque ou equipamentos;
  • as consequências da não observância das regras, tais como morte por afogamento e sucção, além de fraturas diversas;
  • as medidas preventivas contra acidentes, como não correr ou empurrar pessoas na área, não utilizar tanque sem treinamento mínimo em natação e não saltar ou realizar acrobacias a partir da borda sem conhecimento técnico.

Outras regras

Nas piscinas coletivas, deverão ser colocados pisos antiderrapantes em toda a sua área. Também deverão ser instalados botões de parada de emergência em todos os sistemas que utilizem a motobomba de recirculação de água no modo automático. Esse botão deve estar bem visível acessível para que qualquer pessoa o acione em caso de acidente.

Além disso, deverá ser feito o isolamento do tanque em relação à área de trânsito dos banhistas. Isso se dará com grades, cercas ou similares equipados com portão de segurança, que tenha dispositivo de fechamento automático e trinco autotravante, que seja trancável com chave.

Ainda, esses portões deverão ter um mecanismo de abertura com altura mínima de 1,5 m do piso, permitindo que o local seja visível do exterior — para barrar crianças desacompanhadas.

Os estabelecimentos que possuem piscinas públicas ou coletivas terão o prazo de um ano a partir da publicação da lei, para se adequarem ao regulamento. Para as privativas, o prazo para adaptações é de dois anos.

Penalizações

Das penalidades em caso de infrações, caberá ao Distrito Federal, aos estados e municípios aplicar as sanções cabíveis. Também é de sua alçada determinar o órgão fiscalizador das adequações às normas. Cada um, então, deverá determinar localmente quais serão as penas e penalizações para o descumprimento da lei.

Ainda assim, a entrega de alvará para funcionamento dos locais com piscina coletiva ou habite-se para residências estará condicionada ao cumprimento das normas estabelecidas pela lei federal.

As formas de penalização para o infrator podem seguir, de forma isolada ou de maneira cumulativa a ordem, de advertência, multa mínima de 10 dias-multa (valor calculado sobre 10/30 do salário mínimo vigente), interdição da piscina até sanar o problema.

Em caso de reincidência fica sujeito à cassação da autorização de funcionamento da piscina ou do estabelecimento onde ela estiver ativa. Mas isso apenas quando a medida for cabível. Nenhuma dessas medidas isenta o infrator de responder cível ou penalmente em cada caso.

Alguns estados e municípios que já possuem lei de segurança nas piscinas

De fato, com os recorrentes acidentes e a discussão sobre o assunto, alguns estados e municípios já saíram na frente e criaram suas próprias leis de segurança nas piscinas. São eles:

  • Belo Horizonte (MG), que, desde 2016, obriga clubes, condomínios, hotéis e academias a instalar um dispositivo de segurança que interrompa o processo de sucção dos ralos;
  • A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou, no mesmo ano, a Lei 18.786, que determina o uso da tampa antiaprisionamento e a adoção de outras medidas, como a instalação de botão de emergência para desligamento de bomba de sucção; o respiro atmosférico; o tanque de gravidade e a barreira de proteção para evitar o acesso direto na piscina;
  • O município de Santos, em São Paulo, aprovou lei semelhante, também em 2016. Ela obriga a instalação do dispositivo de segurança e fixa multa de R$ 2 mil ao responsável pela piscina que descumprir a legislação;
  • O município de São José, em Santa Catarina, também disciplinou as normas para prevenção de acidentes em piscinas coletivas e privativas;
  • Há legislação, ainda, em Sorocaba (SP), desde 2014; em Atibaia (SP), desde 2015; em Camboriú (SC) e Itajaí (SC), desde 2016; Foz do Iguaçu (RJ), desde 2014; Porto Seguro (BA), desde 2015; entre outras cidades.

Diante disso, vale a pena verificar se há leis de segurança nas piscinas do seu estado ou município e quais são as normas estabelecidas. Investir em segurança para a área da piscina é fundamental para evitar as penalidades citadas

Mas além de ser uma obrigatoriedade, a segurança também é uma forma de demostrar a preocupação e respeito com a integridade dos banhistas. Ela melhora a imagem do estabelecimento e gera satisfação para os frequentadores. A seguir, veja como adaptar-se a essas novas determinações.

Adaptando-se às novas regras

Diversas das determinações das novas regras de segurança em piscinas são medidas que já deveriam ser adotadas pelos administradores. Afinal, elas são itens básicos que asseguram a integridade dos banhistas e evitam problemas para o estabelecimento. Esse é o caso do sistema anti-sucção e dos pisos antiderrapantes, por exemplo.

De toda forma, para adaptar-se a essas novas medidas, o passo inicial é conhecer todas as determinações da Lei e conferir aquilo que ainda está irregular em sua piscina. Dessa maneira é possível ter um ponto de partida para adequar-se.

Para os equipamentos e maquinários

No caso de equipamentos, o ideal é que seja contratada uma empresa especializada para realizar a devida reforma ou instalação dos itens. Isso porque, no caso de piscinas já construídas, pode ser preciso fazer algum tipo de adaptação, que deve ser segura e eficaz.

Nas mudanças estruturais

As mudanças estruturais, como instalação de cercas, portões e de pisos, também devem ficar sob responsabilidade de profissionais, porque do contrário será preciso montar uma equipe especializada apenas para isso. No entanto, as empresas que vendem esses produtos também costumam oferecer a instalação deles e manutenção.

Na necessidade de salva vidas

O serviço de salva vidas pode ser terceirizado ou contratado um profissional para integrar a equipe interna. Se essa segunda for a sua opção, tenha o cuidado de analisar muito bem o currículo do profissional.

Na terceirização isso fica a encargo da empresa, assim, muitas vezes, essa medida é mais eficaz, pois não é preciso se preocupar com o treinamento, a formação e preparo do profissional. Por isso, vale a pena considerar terceirizar o serviço de guardião.

Das regras e sinalizações

Quanto às regras e sinalizações, a própria equipe interna pode realizar essa adequação. É fundamental estar atento a tudo o que precisa ser sinalizado para que nada fique irregular e, então, instalar os avisos em placas ou pôsteres.

Lembre-se de que há regras determinadas pela lei e ainda outras que indicam boas práticas para uso do espaço. Então, determine aquilo que deve ser informado para os banhistas e padronize esses avisos a fim de torná-los o mais inteligíveis possível.

É essencial não haver ambiguidades e nem espaço para dupla interpretação. As regras devem ser claras, os avisos diretos e sempre muito bem visíveis. E se houver necessidade, também é interessante fazer circular um material impresso para educar e informar os frequentadores do espaço sobre as determinações.

Não se esqueça de que todos os equipamentos de segurança em piscina devem ser devidamente regulamentados para que sejam válidos e eficazes. Por isso, opte por empresas que ofereçam esse tipo de material e o devido suporte para os clientes.

A segurança é responsabilidade dos administradores, embora a lei também determine a responsabilidade do usuário de respeitar e fazer respeitar as normas de uso e compartilhamento da piscina, bem como zelar pela sua conservação.

Ainda assim, a lei prevê penalidades para o responsável pela construção e administração do espaço. Portanto, assegure-se fazendo as adequações necessárias a fim de estar em dia com as normas de segurança em piscinas, garantir a integridade dos banhistas e evitar complicações para a sua empresa.

Há tempos o projeto de lei tramitava no Senado e nem todos sabem que ele já foi aprovado. Por isso, compartilhe este artigo em suas redes sociais e faça conhecer as novas determinações.

Powered by Rock Convert

POSTS RELACIONADOS


Share This