(9) erros na limpeza e manutenção de piscinas que você precisa evitar

3 sinais que indicam a hora de limpar a piscina do clube
julho 2, 2018
Descubra quando e como trocar a água da piscina
julho 5, 2018

(9) erros na limpeza e manutenção de piscinas que você precisa evitar

Cuidar da limpeza e manutenção de piscinas é coisa séria. Uma piscina suja, com água sem tratamento e filtros entupidos pode representar um risco à saúde dos banhistas. Alguns deslizes costumam ser comuns, como a aplicação de produtos químicos de forma equivocada e o descuido com bombas e filtros, trazendo sérias consequências para os usuários.

Ficou interessado no assunto? Veja, agora, 9 erros que você deve evitar durante a rotina de limpeza e manutenção da sua piscina. Boa leitura!

1. Esquecer de testar a química da água

Para estar própria para o banho, a água deve atingir uma certa alcalinidade. Um erro muito frequente é esquecer de testar a química, verificando sua alcalinidade, além dos níveis de pH da água e o residual de cloro. A unidade de medida é a ppm (partes por milhão).

Com uma fita teste para piscina ou medidor específico para isso, faça as análises. A alcalinidade deve estar na faixa de 80 a 120 ppm, o que garante um equilíbrio que auxilia na manutenção do pH, assim como na eficiência do cloro livre. A alcalinidade ajustada proporciona o mínimo de agressão à pele e aos cabelos dos usuários. Os níveis ideais de pH devem ficar entre 7.0 e 7.4. Caso não estejam nessa faixa, faça a correção com ácido seco ou ácido muriático (para reduzir) e carbonato de sódio (para aumentar).

O uso correto do cloro também é importante. O nível aceitável de cloro combinado, ou seja, o cloro em uso, é de, no máximo, 0,2 ppm. Acima disso, provoca cheiro e prejudica a saúde. Já o cloro livre — que ainda não foi usado — deve ter entre 1 e 3 ppm.

2. Misturar químicos diferentes

Esse é um erro comum a quem não entende muito de química. Então, fica a dica: nunca misture produtos químicos diferentes, pois eles reagem uns com os outros e o resultado pode ser desastroso.

Você deve ter cuidado até mesmo no armazenamento desses produtos. Não deve, por exemplo, deixar frascos de líquidos sobre baldes de cloro, nem latas de tinta ou produtos de limpeza próximos à piscina.

Não misture hipoclorito de cálcio com dicloro ou tricloro, pois são incompatíveis. Além disso, não deixe respingar água dentro do balde de cloro ao manusear o produto e não utilize o seu dosador para outros químicos.

3. Ignorar a manutenção das bombas e dos filtros

Muitas pessoas se preocupam apenas com a qualidade da água da piscina e sua limpeza superficial e esquecem da manutenção das bombas e dos filtros. E isso é de extrema importância.

Esses equipamentos devem ser ligados todos os dias, pois eles representam 50% do tratamento da piscina. O filtro, por exemplo, ajuda a purificar a areia e outras sujeiras. Além disso, os dois equipamentos movimentam a água, favorecendo a troca de oxigênio e evitando a proliferação de algas. Por isso ambos estão sujeitos a ficarem sobrecarregados.

A areia do filtro deve ser trocada, em média, a cada 18 meses. E ele deve ser lavado, pelo menos, uma vez por semana em piscinas residenciais e duas vezes nas coletivas. A motobomba deve ser verificada regularmente. Se os ruídos apresentarem alguma variação ou se a sucção estiver fraca, chame um técnico.

4. Não escovar os revestimentos da forma correta

É um erro achar que usando produtos químicos e aspirando a piscina, ela estará sempre limpa. Outros cuidados também são necessários na hora da limpeza e manutenção de piscinas para deixá-las perfeitas. Um deles é a escovação.

Verifique a borda da sua piscina. Você consegue enxergar uma mancha mais escura na borda, bem no nível da água? Essa parte precisa ser escovada, pois é justamente onde começam a aparecer as manchas e fungos indesejáveis.

Escove também a escada e os cantos da piscina para evitar que a sujeira fique acumulada e escondida por ali.

5. Usar objetos metálicos na hora de misturar os químicos

Mais uma vez ter faltado às aulas de Química na escola pode custar caro! Brincadeiras à parte, saiba que misturar produtos químicos com objetos metálicos pode causar uma série de problemas.

Alguns químicos têm ação corrosiva e com o tempo podem causar ferrugem aos metais. Os resíduos desse metal podem acabar se misturando aos produtos e prejudicar o equilíbrio da mistura e, consequentemente, da água que irá recebê-la.

6. Aproveitar água da chuva sem tratamento

Aproveitar a água da chuva para encher a piscina é sustentável, pois ajuda o meio ambiente e reduz os gastos com a água. Porém, ela não pode ser simplesmente adicionada à piscina sem nenhum tratamento prévio.

Provavelmente o que vai resultar disso é uma piscina escura e problemas no equilíbrio de pH e alcalinidade. Portanto, se quiser mesmo usar a água da chuva, procure orientação de um profissional sobre como tratá-la antes do aproveitamento.

7. Desconsiderar a área externa

Esse é um erro bastante comum. A pessoa constrói a piscina e esquece de incluir a área externa no projeto.

Ter um deck bem cuidado, com piso antiderrapante, um paisagismo que favoreça o espaço deixando-o bonito e agradável é fundamental não só para o embelezamento, mas para a segurança e limpeza.

Com uma área externa bem feita, a piscina vai ter menos risco de sujar e vai durar muito mais.

8. Executar a filtragem por pouco tempo

É normal você querer economizar energia e querer ligar o sistema de filtragem da piscina por pouco tempo apenas para “dar aquela limpada básica no fundo”. Porém, esse é um erro.

A filtragem precisa funcionar por cerca de 8 horas por dia para que a água fique realmente livre de agentes contaminantes. Quanto mais tempo você deixar o filtro ligado, melhor.

9. Usar produtos de baixa qualidade

Você compra um produto que desconhece no mercado, mas acredita que vai cumprir com a sua função. Infelizmente, porém, nem todas as marcas de artigos para piscinas são confiáveis.

Usar produtos de baixa qualidade pode comprometer a limpeza e manutenção da sua piscina. Portanto, na hora de adquirir as soluções, dê preferência para aquelas de marcas consolidadas e com concentração de cloro ativo alta. Se estiver na dúvida, peça ajuda aos vendedores e à empresa de manutenção de sua confiança.

Esses são apenas alguns erros comuns na limpeza e manutenção de piscinas. Orientamos, no entanto, que você busque a ajuda de profissionais para manutenção de piscinas de uso intenso. Essa é a melhor forma de garantir a segurança e a saúde dos seus banhistas.

Se quiser garantir que nada vai dar errado com o tratamento da sua piscina, entre em contato conosco pelo telefone (21) 2432-3000 ou pelo e-mail poolrescue@poolrescue.com.br.