VISITE NOSSA LOJA VIRTUAL Loja Virtual de Piscina Loja Virtual de Piscina

Os dias de verão estão indo embora e você já se prepara para deixar de usar sua piscina? Saiba que ter uma piscina aquecida em casa proporciona maior conforto térmico e permite o uso em dias de temperaturas amenas e até mesmo no inverno. Mas afinal, você sabe como ter piscina aquecida o ano todo?

Hoje, existem vários métodos para fazer esse aquecimento, e para escolher o ideal é preciso estar atento às características da sua piscina, da região do país onde você mora, se a piscina está em uma área aberta ou fechada e também de quanto você pretende investir no sistema.

Se você quer saber como fazer a escolha certa para montar uma piscina aquecida em casa, acompanhe o post e confira as informações que trouxemos!

Afinal, como ter piscina aquecida em casa e quais as opções disponíveis?

Como dissemos, para aquecer uma piscina, existem alguns métodos que são muito utilizados no país, mas tudo dependerá das suas necessidades e das características da sua piscina.

Por isso, antes de optar por qualquer tecnologia, é importante que um técnico especializado visite a sua casa e analise a construção da sua piscina, as dimensões, o clima da sua região, seus hábitos de uso e o espaço disponível para a instalação do sistema, bem como os custos envolvidos em cada método. Veja, a seguir, os mais usados:

Bomba de calor (ou trocador de calor)

O sistema funciona de maneira semelhante a um ar condicionado, porém de maneira invertida. O aparelho retira o calor da atmosfera e o intensifica por meio de um compressor. Esse calor passa a ser transferido para uma serpentina por onde a água corre e é aquecida.

Esse tipo de sistema deve ser instalado ao ar livre e é preciso considerar o dimensionamento da piscina para escolher o equipamento mais adequado. Mas atenção: a bomba de calor pode se tornar economicamente inviável para quem tem uma piscina pequena ― de até 800 litros.

Em geral, o primeiro aquecimento pode demorar até 36 horas para ser realizado, porém tem como vantagem o consumo de energia mais baixo que o aquecedor elétrico, por exemplo, com uma média de 3 kW/h.

Contudo, para promover o aquecimento, o sistema depende da temperatura do ambiente e, por isso, no inverno, ele poderá demorar mais para conseguir aquecer a água.

Para que não exista perda de temperatura, é preciso tomar alguns cuidados, como o dimensionamento correto de acordo com a área total da piscina ― superfície e profundidade ― e também o uso de capa térmica em ambientes abertos.

Aquecedor elétrico

É o tipo mais comum e pode funcionar durante todo o ano, sendo bastante eficiente também em dias frios e nublados. Ele funciona sugando uma parte da água da piscina para dentro de um tanque de aquecimento. Em seguida, a água aquecida é bombeada de volta para a piscina.

Esse sistema é relativamente acessível, já que seus custos de aquisição e instalação não são muito altos. Porém, o consumo de energia é mais alto que os demais ― cerca de 24 kW/h ― e pode ser semelhante a até 5 chuveiros elétricos.

O primeiro aquecimento demora mais ou menos 20 horas para ser realizado. Depois, com algumas horas diárias já é possível atingir a temperatura desejada.

Aquecedor solar

De todos é o que pode ter o valor de instalação e aquisição mais caro, porém a vida útil é maior ― de até 20 anos ― e seu consumo de energia elétrica é praticamente zero (salvo nos casos de sistemas híbridos, que falaremos mais abaixo).

O sistema funciona a partir de placas solares com tecnologia específica capaz de coletar a energia do sol e transformá-la em calor. A água da piscina é bombeada para dentro dos coletores que transmitem esse calor captado do sol e aquecem a água.

Em geral, os coletores são instalados nas lajes e nos telhados, mas em alguns casos também podem ser instalados no chão. O principal é observar a inclinação e a direção das placas e também a ausência de sombras ou outras interferências para que elas consigam ter uma capacidade máxima de exposição solar.

Esse método costuma funcionar muito bem em dias ensolarados, por isso, costuma-se utilizar um sistema híbrido para os dias de pouco sol ou de inverno.

Para estimar a quantidade de coletores necessários para a sua piscina, será preciso a visita de um técnico especializado que considerará a área da superfície da sua piscina e também a região onde você mora.

Aquecedor a gás

Esse tipo de sistema conta com a vantagem de conseguir manter a temperatura sempre constante. Para isso, ele se utiliza da queima de gás para o aquecimento de um sistema de troca de calor com a água. Os gases mais comuns usados são o GLP ou o gás natural.

Os gases são responsáveis por aquecerem uma serpentina por onde a água da piscina passa, se aquece e, então, retorna aquecida à piscina. O primeiro aquecimento demora em torno de 24 horas e o consumo é semelhante ao de 2 chuveiros a gás ― cerca de 2,2 kg de gás por hora.

A instalação também costuma ser um pouco mais cara, já que dependerá de um profissional habilitado que trabalhe de acordo com a NBR 13.103.

Vale destacar que as piscinas menores são as que melhor podem usufruir desse sistema.

Sistemas híbridos

Os sistemas híbridos costumam ser indicados como a melhor alternativa para a maioria dos casos. Isso porque eles funcionam integrando dois tipos de tecnologia de aquecimento, como por exemplo, o aquecedor solar e elétrico ou o solar e o a gás.

A vantagem é que, quando um não pode ser utilizado, você terá outro método disponível, além de conseguir ter um controle maior dos gastos envolvidos no processo.

Quanto custa ter uma piscina aquecida em casa e que método devo escolher?

Os valores podem variar muito de acordo com o tamanho da sua piscina e as características do seu projeto. Em geral, o aquecedor elétrico é o mais barato de todos, com um custo de aquisição entre R$ 600 e R$ 1 mil. Porém, é preciso considerar os custos de manutenção desse sistema, já que o consumo de energia elétrico é alto.

Em seguida, vem o aquecedor a gás, com custo médio de R$ 4 mil, depois o solar e a bomba de calor, ambos em torno de R$ 6 mil e, por último, o híbrido, que custa em média R$14 mil.

Além do preço, é importante que você considere outras informações, como as indicações para a sua piscina, os custos de instalação, a vida útil do sistema e a manutenção necessária.

Para se ter uma ideia, os aquecedores solares são os que menos demandam manutenção, apenas sendo indicada uma limpeza nas placas de captação durante as primeiras horas da manhã, assim como as bombas de calor, que apenas necessitam que as entradas sejam mantidas desobstruídas ― com a remoção periódica de folhas, galhos, poeira e gordura.

Já os aquecedores elétricos podem requisitar mais cuidados, sendo que a manutenção periódica deve ser feita a cada 6 meses e por um eletricista, assim como o aquecedor a gás, que necessita da visita periódica de um técnico especializado para que a integridade dos componentes seja verificada e testada.

Você viu que conhecendo as características da sua piscina e contando com a ajuda de um profissional, você pode aproveitar a piscina o ano todo. Viu como ter piscina aquecida em casa é possível?

Gostou do post? Aproveite e baixe o nosso guia prático para renovar a sua piscina e transforme a sua área de lazer!

Powered by Rock Convert

POSTS RELACIONADOS


Share This