VISITE NOSSA LOJA VIRTUAL Loja Virtual de Piscina Loja Virtual de Piscina

Bactérias e fungos adoram se espalhar na água e, por isso, as doenças de piscina são comuns, principalmente nos períodos mais quentes do ano, em que a frequência dos mergulhos e o número de banhistas são maiores.

Entretanto, a solução é simples: um tratamento adequado da água evita a proliferação desses seres microscópicos que fazem tanto mal à saúde. Quer saber quais são as doenças mais comuns e como se proteger delas? Continue a leitura!

Principais doenças de piscina

A umidade  favorece a proliferação de algas, bactérias e fungos. A Staphylococcus é uma das bactérias que pode ser encontrada com frequência em piscinas, bem como o protozoário Cryptosporidium.  Ambos são perigosos e  podem causar graves problemas de saúde. Veja alguns causados pelos micro-organismos presentes na água.

1. Micoses

As micoses são provocadas por fungos. Seus principais sintomas são coceira na pele e o aparecimento de manchas brancas ou lesões que descamam, em diversas partes do corpo, como rosto, virilha, braços e couro cabeludo. 

A pessoa infectada deve procurar um dermatologista aos primeiros sinais da infecção. O tratamento costuma ser tópico, com a aplicação de pomadas ou cremes antifúngicos.

2. Diarreia

Diarreia não é uma doença, mas um sintoma que indica a presença de bactérias ou vírus no organismo e que podem causar um problema maior. Esses são contraídos pela ingestão da água contaminada e chegam a sobreviver por até 15 dias. 

Portanto, qualquer pessoa que tenha tido diarreia nas últimas duas semanas pode contaminar a piscina. A única forma de prevenir, principalmente em locais de maior fluxo de pessoas, como clubes e academias, é realizando o tratamento da água, que indicaremos adiante.

3. Foliculite

O termo é usado para designar uma inflamação capilar causada pela bactéria Pseudomas aeruginosa, muito comum em piscinas, banheiras, ofurôs etc.  Os primeiros sinais são caroços ou erupções que surgem no tronco, axilas e partes superiores dos braços e pernas.

A inflamação é tratada dermatologicamente com sabão anti-séptico e outros medicamentos prescritos por dermatologistas ou clínicos gerais.

4. Irritação Química

É comum algumas pessoas sentirem irritação nos olhos, ardência nasal e até dificuldade de respirar após entrarem na piscina. Essas pessoas são sensíveis ou alérgicas a cloraminas, substâncias resultantes da combinação do cloro com fluídos como o suor, urina ou outros resíduos.

Por isso é tão importante tomar uma chuveirada antes de entrar na piscina, para retirar o suor e o excesso de protetor solar, creme, xampu ou outra substância.

Como se proteger

Alguns sinais de que a água está contaminada são visíveis: ela fica turva, com uma cor esverdeada e com mau cheiro. O revestimento da piscina costuma ficar pegajoso também por conta da concentração de algas. Mais importante que identificar o problema é preveni-lo. Veja como se proteger:

  • tome uma ducha antes de entrar na água — já mencionamos aqui, mas vale repetir. Às vezes nós mesmos contaminamos a água quando não observamos esse simples hábito;
  • se a piscina for na sua casa, faça o tratamento correto da água — faça a medição periódica do pH da água e utilize a dosagem correta do cloro;
  • seque-se bem depois de sair da piscina, para evitar micoses;
  • se você tem sensibilidade aos produtos químicos para tratamento da água, use óculos de natação;
  • o uso de tampões de ouvido ajuda a prevenir doenças provocadas por bactérias também, como a otite;
  • não engula a água da piscina.

Com essas medidas, você estará mais protegido contra as doenças de piscina, mas é preciso lembrar os demais frequentadores dos mesmos cuidados. Faça uma campanha pela saúde com os banhistas! Não se preocupe em parecer chato, pois a prevenção é o melhor remédio.

Agora que você já sabe como se proteger, aprenda uma das etapas do tratamento da piscina em nosso artigo sobre como fazer a aspiração corretamente!

Powered by Rock Convert

POSTS RELACIONADOS


Share This